Novo PRESIDENTE da FAI

Caros membros da CAB e Aerodesportistas,

A FAI tem um novo presidente:
Robert Henderson da Nova Zelândia foi eleito com um mandato de 4 anos na Conferência Geral da FAI em Luxor, Egito, no último final de semana.

A última pessoa de fora da Europa a atuar como presidente da FAI foi Clifton F von Cann, dos EUA, que foi presidente de 1988 a 1990.

Sobre Robert Henderson

O Sr. Henderson tem experiência como oficial militar sênior, piloto e instrutor e, posteriormente, Gerente de Treinamento da frota Airbus A320 na Air New Zealand. Ele foi nomeado membro da Ordem da Nova Zelândia por seus serviços na aviação esportiva e é piloto de planadores em seu tempo de lazer.

45108061_1325581267581915_6004447709547724800_n

“Ser eleito pela comunidade mundial de esportes aéreos como seu presidente é uma grande honra e uma experiência de humildade”, disse ele.

“Estamos enfrentando uma série de desafios como uma Federação Internacional de Esportes, e não menos importante é encontrar fontes adicionais de financiamento.

“Estou ansioso para enfrentar esses desafios nos próximos dois anos, especialmente.

“Haverá muito trabalho árduo para levar a organização adiante, mas temos uma excelente equipe no Conselho Executivo e uma equipe excelente trabalhando para nós em Lausanne e estou confiante de que, com a ajuda deles, podemos fazer a diferença. “

Planos de curto prazo do Sr. Henderson

Henderson definiu algumas metas-chave como parte de seu plano para os próximos três meses, incluindo a garantia de que os Jogos Mundiais Aéreos, na Turquia, planejados para 2020, sejam bem organizados e administrados com eficiência.

“Este é um tremendo empreendimento e envolve centenas de pessoas, a grande maioria das quais são voluntários”, disse ele.

“Devemos à THK, a organizadora turca e aos nossos membros e esportistas, focar de perto neste evento para garantir seu sucesso.”

O presidente Henderson mora na Nova Zelândia, o que significa que será relativamente fácil para ele trabalhar com os membros da FAI na Ásia, onde ele observa que vários países têm grande potencial de crescimento no campo de esportes aéreos.

Para negócios de rotina com a sede da FAI em Lausanne, na Suíça, ele pretende usar a videoconferência sempre que possível.

“O Zoom é uma ferramenta de conferência maravilhosa e estaremos aproveitando ao máximo essa capacidade para reduzir o tempo de viagem e os custos de viagem”, disse Henderson.

“Também quero acelerar o trabalho em nosso projeto estratégico, ONE FAI, para realizar com urgência o recurso de mão-de-obra, a tomada de decisões e a economia potencial de custos.”

Membros da CAB com os relatores da ANAC.

Hoje na sede paulista da ANAC membros da formatação da Regulação do Aerodesporto Brasileiro, divulgaram a nova regra para os membros da CAB  “ABUL , ACRO Brasil, CBB, CBPq, CBVL, COBRA e FBVV” entre outras entidades e que estará em vigor a partir de 1 de Janeiro de 2019.

cab Membros da CAB e ANAC.

35686725_1203491329790910_6838496668707454976_n Acesse a Regulação de Aerodesportos da ANAC.

35628506_1203491339790909_7716111349461286912_n Auditório da ANAC em São Paulo.

Eleita nova diretoria da CAB

Na quinta-feira (29 de março), em São Paulo, foi eleita a nova diretoria e os membros do Conselho Fiscal da Comissão de Aerodesporto Brasileira (CAB) para o biênio 2018-2020.

“Aerodesporto-Brasil” composta pela balonista Marina Posch Kalousdian, presidente; Luiz Claudio Ribeiro Santiago, paraquedista, vice-presidente foi a chapa vencedora. Do conselho fiscal da entidade agora fazem parte Jorge Derviche Filho (paraquedista), 1º membro; Priscila Rezende Fevereiro (piloto – parapente), 2º membro e Ricardo de Campos Ramos (volovelista), 3º membro. Murilo Rovina Ferreira (piloto de acrobacia aérea e piloto comercial), ficou como membro suplente.

De acordo com Marina Posch Kalousdian, que também presidiu a CAB nos últimos dois anos, a meta para o biênio 2018-2020 é prospectar um patrocinador para a entidade para reduzir a carga financeira sobre os atletas e os filiados. Inclusive uma meta é a indústria dos drones. “De Shenzen na China eles dominam o mundo e a Federação  Aeronáutica Internacional tem disponibilizado tempo e recursos para o incentivo de campeonatos nesta área. Em breve a Confederação Brasileira de Aeromodelismo irá organizar a Etapa Brasileira do World Drone Racing Cup em Brasília. Outro setor importante que irá trazer interessados ao Aerodesporto são os campeonatos virtuais, que inclusive a Federação Brasileira de Voo a Vela já está organizando”, elencou  a presidente eleita.

A nova diretoria da CAB também pretende  iniciar um trabalho de prestação de serviços para alavancar recursos, além de  tentar verba de R$ 1 milhão para apoiar o Time Voa Brasil que anualmente é constituído por cerca de 100 atletas. “Com este valor poderemos pagar a taxa de inscrição e as passagens dos atletas. Esse processo começamos  em 2017 com o lançamento no 1º Jantar dos Campeões”, finalizou Marina Posch Kalousdian.

WhatsApp Image 2018-03-29 at 17.06.55

Turquia será sede da FAI World Air Games 2020.

Na sede da FAI em Lausane na Suiça foi assinado o contrato para realização do World Air Games 2020 que terá como país sede a Turquia… Todos os esportes estarão divididos em várias cidades entre elas: Ankara, Antalya, Eskisehir, Efes – Selcuk, Ölüdeniz – Fethiye e Pammukale – Honaz.

b1beb77f-ee23-48eb-bb17-6ce6b7ac5f22 Membro FAI – Turquia, Kursat Atilgan e Frits Brink, Presidente da FAI.

CAB suspende temporariamente a obrigatoriedade de emissão das licenças FAI para eventos esportivos Categoria 2.

A Comissão de Aerodesporto Brasileira (CAB), entidade nacional de representação e administração do desporto de todas as modalidades aerodesportivas, resolve, fundamentada no artigo 3º, incisos VI e VIII e artigo 37, inciso XXVI de seu Estatuto e dando cumprimento ao teor do artigo 57º, suspender até o próximo dia 31 de dezembro deste ano a obrigatoriedade da emissão de licenças FAI (Fédération Aéronautique Internationale) para eventos da Categoria 2.

A Categoria 2 compreende os eventos internacionais organizados por ou autorizados pela NAC do Brasil (National Air Sport Control do Brasil) que se trata da própria CAB. Estão entre os eventos Categoria 2, assinados pela Confederação Brasileira de Voo Livre (CBVL) a Copa Rio de Janeiro de Parapente – Etapa 1 que será realizado em Saquarema, Copa Rio de Janeiro de Parapente – Etapa 2 que será realizado em Porciúncula/RJ, ambos organizados pela Federação de Voo Livre do Rio de Janeiro; Campeonato Brasileiro de Parapente – Etapa 1 que será realizado em Formosa/GO, organizado pela Associação de Voo Livre de Brasília; Campeonato Brasileiro de Parapente – Etapa 2 que será realizado em Igrejinha/RS pelo Clube Serra Grande de Voo Livre; Campeonato Brasileiro de Asa Delta – Etapa 1 que será realizado em Governador Valadares/MG pela Associação de Voo Livre de Ibituruna, Campeonato Brasileiro de Asa Delta – Etapa 2, que será realizado em Brasília/DF organizado por Ricardo Ortega de Sousa; Campeonato Brasileiro de Asa Delta – Etapa 3, que será realizado em Andradas/MG por Ronaldo Visnardi e o Paragliding World Cup Brazil, que será realizado em Castelo/ES por Frank Brown.

De acordo com a presidente da CAB, Marina Kalousdian, pelas regras da FAI os participantes são obrigados a ter a licença, no entanto em outros países ela não é exigida. “O próprio presidente da Comissão Internacional de Voo Livre não exige essa licença para outros países, por isso fizemos uma consulta à FAI e a resposta foi que essa atribuição é do organizador e do NAC. Diante disso colocamos em votação a supressão de receita para emissão de licenças esportivas FAI para a categoria 2 de eventos. Das 7 entidades, somente 6 tiveram direito a voto já que uma entidade está inadimplente e, portanto não vota, tivemos 4 votos a favor da suspensão provisória do pagamento da licença, um voto contrário e uma abstenção”, explica a presidente da CAB lembrando que hoje o valor da licença é de R$ 270,00 pagos pelos atletas.

A obrigatoriedade da licença permanece para os eventos Categoria 1, como o Panamericano de Voo Livre no Brasil, para eventos em outros países e para os recordes.
A CAB também colocará em pauta na Assembleia Geral, marcada para o próximo mês de março, a revisão dos valores praticados pela entidade para a emissão da Licença Esportiva FAI.

INFORMATIVO Antidoping: Atletas de Competição Internacional.

Isenções de Uso Terapêutico

“Informe em vez de ser pego!”

O que é um TUE- Therapeutic Use Exemption?

Como competidor, você pode ter uma doença ou condição que requer uma medicação específica. Mas este medicamento pode conter uma substância que aparece na Lista de Proibição da WADA. Nesse caso, você pode receber uma Isenção de Uso Terapêutico (TUE) que lhe dá permissão para usá-la.

Quem precisa de um TUE-Therapeutic Use Exemptions?

Qualquer atleta que participe de um evento aprovado pela FAI (qualquer evento registrado no Calendário da FAI) e que pode estar sujeito a controle de doping deve solicitar um TUE antes de tomar uma medicação proibida. Todas as informações contidas neste pedido serão estritamente confidenciais.

O pessoal de apoio do atleta não pode candidatar-se a uma TUE para ele/ela mesmo(a). No entanto, o pessoal de apoio do atleta deve ter uma justificativa aceitável para usar uma substância proibida. O pessoal de apoio do atleta também pode estar na posse de substâncias proibidas se for consistente com uma TUE concedida a um atleta, ou seja, o médico pode estar carregando insulina para o seu atleta que tem um TUE para isso. A referência ao TUE pode ser um pouco redundante, mas no final do dia, o pessoal de apoio do atleta precisará provar por que ele/ela estão carregando uma medicação proibida em algum momento. Mas seria uma TUE concedida ao atleta.

Por que você precisaria de uma TUE?

Os TUEs garantem que você possa ter tratamento para uma condição médica legítima – mesmo que esse tratamento exija uma substância ou método proibido.

O processo TUE evita o risco de sanções devido a um teste positivo.

Como obter um TUE?

1- Preencha o formulário de inscrição (disponível abaixo) com a ajuda do seu médico. O nome da(s) substância(s) proibida(s) deve(m) ser indicados (não o nome da marca da medicação) e apenas as substâncias proibidas devem ser registradas no formulário TUE.

Tenha cuidado, esta é a responsabilidade do seu médico para controlar qual medicamento contém uma substância proibida!

2- Tenha o formulário controlado e assinado pelo seu médico.

3- Se você é um piloto de nível internacional, você deve enviar este formulário (depois de ter sido preenchido pelo médico) para a sede da FAI, em atenção ao Gerente de Anti-doping (Anti -Doping Manager).

4- Se você é um piloto de nível nacional, envie-o para o seu National Air Sport Control, a CAB.

Se a TUE for aprovada, o atleta irá receber um certificado de aprovação TUE.

Os atletas devem obter TUEs para Substâncias Proibidas antes de competirem. Os atletas do Grupo de Testes registrados devem candidatar-se aos TUEs, ao mesmo tempo em que fornecem as informações de localização para a FAI e, exceto para situações de emergência, não menos de 21 dias antes da participação do atleta em um evento internacional. Os atletas que não participam do Grupo de Testes Registrados devem se inscrever para os TUEs através do National Airsport Control (NAC) CAB pelo menos 21 dias antes de participar de um evento internacional.

Painel FAI TUE

A FAI nomeou um painel de médicos para considerar os TUEs (“Painel de TUE)”. Os atletas devem enviar seus pedidos de TUE (preenchidos com todas as informações necessárias e assinados por eles mesmos e o médico) para FAI diretamente para que o Painel de TUE avalie, (para atletas no Grupo de Testes Registrados, independentemente de o atleta já ter ou não um TUE emitido pelo NAC). O Painel FAI TUE avaliará os pedidos de TUEs de acordo com o Padrão Internacional da WADA.

Se você tiver uma consulta específica sobre uma Isenção de Uso Terapêutico, você pode entrar em contato com o painel FAI TUE usando o link abaixo. Todas as perguntas são tratadas com sigilo e confiança.

Endereço para envio e dúvidas:

Please submit the completed form to :

CONFIDENTIAL

FAI Anti-Doping Manager

FAI – Fédération Aéronautique international

MSI – Avenue de Rhodanie 54

1007 LAUSANNE

Switzerland

[email protected]

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial