Tentativas de Recordes do Voo a Vela no sertão nordestino.

Relato de dois voos seguidos que rendeu 5 recordes, no voo a vela. 

bdf6bed8-35c5-462e-b743-aa7fa1892a72

re1
Sexta:
– cheguei de Fortaleza as 08am, quando o SA comenta: se quisermos bater recordes, precisamos estar aqui antes das 07 e decolar no máximo as 07:30. A mensagem estava dada, não podíamos desperdiçar a oportunidade do early start, mas como todos me conhecem fiz as contas e com largada as 09am teríamos chance com 118/h de média.

– vento de 28 km/h pouco NE facilita a passagem no través de Guaraciaba do Norte (Serra alinhada com a direção leste). Condição forte prevista no Piauí. Não deu outra, programamos um 1000km pre-fixados para visitar a cidade que nosso mestre Galvão sempre comenta.
– voamos colina na 1a perna (~150km) e engatamos nas térmicas piauienses. Voo normal até Picos, Vm 97km/h, quando comentei com o SA: se chegarmos até as 15 no 2o pontos, bateremos o recorde. Na 2a perna, (~400km) voamos a 150km/h de média com térmicas e estradas fantásticas!! Estávamos otimistas, tudo indicava que conseguiríamos bater o recorde.
– na 3a perna, porém, azul e sombreamento matou nosso voo e o transformou modo sobrevivência, mas tudo bem voar por voar é maravilhoso e além disso, o Sábado já tinha rendido um novo recorde (triângulo FAI de 917).

re
Sábado:
– todos os dias antes de “fecharmos” a prova, conversamos com os amigos do Quixadá Aventura (voo livre) para entender as melhores áreas. Conversei com ele às 05:45 e confirmou que Piauí seria melhor, apesar de previsão de estratificação em algumas áreas.
– decolamos as 07:30, fizemos um reboque acima da cobertura (S Benedito forma uma cobertura fina no período da manhã). Programação previa uma largada alta para atravessarmos o través de Guaraciaba do Norte. Dada a cobertura, conseguimos atravessar porém tivemos que queimar toda a energia do reboque para ficarmos abaixo da cobertura (~50 acima da Serra nos primeiros 20min de voo).
– voamos até Quiterinópolis a colina com convergência (sol perpendicular à montanha) e fazíamos uma média >110km/h até ficar baixo próximo à fazenda Capisa (pistas ótimas para opção de pouso), velocidade reduziu e chegamos em Fronteiras com ~95 um pouco depois das 11 e lembrei: Piauí !! Agora serão térmicas que deveríamos trocar a escala do planador para 10m/s !!
– 2a perna foi boa, mas não fantástica como no sábado. Não foi necessário trocar a escala do variômetro, mas chegamos às 14:45 no Maranhão, 2o e último ponto (~250km a oeste de S Benedito). Neste momento, pensei: recorde batido, porém estava muito enganado. Novamente, regiões estratificadas , térmicas cisalhadas, azul e vento de proa dificultaram muito a volta para São Benedito. Talvez o momento de maior aprendizado!! 1o porque o LXNAV tinha dado planeio final e não considerou que tínhamos que atravessar a montanha, dado que o ponto de largada foi no “pé da Serra” e segundo porque girar 0,5m/s para chegar no planeio feito com as pontas dos dedos (no “talo”) foi fantástico cruzar a Serra aproximadamente a 300m para cruzar a faixa de largada !!

re2

re4 Visual da cabine.

Obrigado @⁨SA⁩e toda a equipe por ter me incluído nesta maravilhosa e memorável empreitada que resultou em 5 recordes nacionais.

Sergio Andrade | Piloto
Itamar Lessa | Co-Piloto

https://www.onlinecontest.org/olc-3.0/gliding/flightinfo.html?dsId=6942717
– Distância livre sobre 3 pontos
– Distância pre-fixada sobre 3 pontos
– Distância livre em triângulo FAI
– Distância pre-fixada em triângulo FAI
– Velocidade em triângulo FAI 1000km

Deixe um comentário

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial